18/05/2017

Causa Arredondada – Entrevista com Nina Valentini

*Matéria originalmente publicada no Jornazen

Estímulo e exemplos nunca faltaram para a paulista Nina Valentini virar uma empreendedora social – vocação que acabou se consolidando na faculdade. Ao longo da infância e da adolescência, ela pôde entrar em contato com pessoas em situação de vulnerabilidade e com a militância na luta antimanicomial, no Hospital Cândido Ferreira, em Campinas, onde o pai foi coordenador por 14 anos. A mãe trabalhou no Instituto Ayrton Senna e exerceu cargos no Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Na graduação em administração pública na Fundação Getúlio Vargas, Nina teve a primeira experiência com captação de recursos. Convidada pelo empresário Ari Weinfeld, idealizador do Instituto Arredondar, ela aceitou o desafio de fomentar a cultura de doação e de engajar o consumidor brasileiro por meio de um sistema de captação de microdoações individuais.

Operando desde 2014, o Movimento Arredondar faz a ponte entre doadores, varejistas e instituições, oferecendo ao consumidor a possibilidade de arredondar o valor da compra em benefício do terceiro setor. No ano passado, a administradora conquistou o Prêmio Empreendedor Social de Futuro, destinado a jovens empreendedores com perfil inovador. Nesta entrevista ao JORNALZEN, Nina Valentini explica como tem contribuído para a aproximação entre organizações sociais e a população em geral.

O que despertou sua vocação para o empreendedorismo social?

Meus pais são bastante engajados, especialmente em temas ligados à área da infância e da luta antimanicomial. Aos 14 anos, fiz uma viagem ao Vale do Jequitinhonha que mudou minha vida, acompanhando um pouco do trabalho realizado pelo CPCD, Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento. Ali, descobri a força de um trabalho comunitário que envolvia famílias, crianças, geração de renda e escolas públicas envolto em muita criatividade e engajamento. De certa forma, descobri cedo que o universo das transformações sociais era o que me encantava, mas ainda não sabia como atuar. Fiz alguns trabalhos voluntários, e no momento de decidir a carreira, prestei vestibular para diversas frentes. Acabei optando pela administração pública – e foi durante a faculdade que descobri que a temática de trabalhar para o fortalecimento das organizações da sociedade civil e, principalmente, de aproximar pessoas a causas, ficou evidente como uma escolha de caminho. Acabei mobilizando recursos para diferentes projetos e aprendi a gerenciar parcerias.

Como surgiu a ideia de criar o sistema de microdoações?

A ideia do Arredondar surgiu do presente que o Ari Weinfeld, fundador do movimento, ganhou de uma amiga empreendedora social um livro que tratava de inovações sobre as formas de levantar recursos para o terceiro setor – Financing Future, de Maritta Koch-Weser e Tatiana van Lier. Como doador, Ari adorou, e convidou empresários e empreendedores para atuar com ele. Tive a sorte de ser convidada. Temos uma grande parceria. Aprendi muito com ele nos últimos cinco anos.

Quais os principais desafios enfrentados para viabilizar o movimento?

Nós precisávamos desenvolver um sistema que não incidisse impostos sobre a operação, e que não custasse ao varejista. Precisávamos acompanhar as doações, portanto, tivemos que fazer um sistema de retaguarda que recebesse as informações sobre o total doado por dia, por loja. Precisávamos selecionar e acompanhar as organizações, e viabilizar uma comunicação em loja com baixo custo. Precisávamos treinar as equipes de venda. Enfim, eram muitas frentes, e claro, muito trabalho de criação e inovação. Só foi possível porque tivemos muitos parceiros, que acreditaram em nossa proposta e nos ajudaram a solucionar esses desafios.

Como é possível desenvolver uma cultura de doação no Brasil?

O brasileiro é doador. Segundo a Pesquisa Doação Brasil, realizada pelo Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), ao longo de 2015 77% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação. No entanto, nossa cultura é muito focada em doação de coisas e pouco em doação de recursos, que traz mais autonomia às organizações. No Arredondar, acreditamos que as doações precisam ser mais acessíveis. Nosso trabalho é abrir espaço para que todos sejam doadores. Para nós, o arredondamento é uma porta de entrada para o engajamento, e uma forma transparente de doar, conhecer novas organizações, acompanhar o trabalho delas, e compreender que a força de uma multidão é capaz de mudar o Brasil.

Qual é a importância de empresas investirem em causas sociais?

As empresas têm um papel central no desenvolvimento social do País, não só pelos recursos e pessoas que mobilizam, geração de emprego, mas também pela capacidade de gerarem desenvolvimento social nos locais em que estão inseridas. Investir em causas sociais não é só uma tendência e até obrigação social e para o crescimento do negócio, como também gera engajamento e envolvimento dos colaboradores e clientes, e criando um círculo virtuoso.

Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores?

Gostaria de convidar todos a conhecerem melhor o Arredondar, as organizações que apoiamos e o impacto que estamos gerando. Temos um canal aberto para receber sugestões, críticas, ideias. Nosso trabalho é mobilizar, junto com uma grande rede de parceiros e colaboradores, milhões de doadores que acreditam e apoiam o trabalho de mais de 20 organizações de impacto que estão transformando a vida de mais de 20 mil pessoas.

01/02/2016

Doações Arredondar 2015

2015 foi um ano e tanto para o Arredondar. Atingimos a marca de 1 milhão de microdoações, o que significa que milhares de pessoas disseram sim para arredondar suas compras! Com isso conseguimos repassar recursos para organizações incríveis, veja quanto cada organização recebeu. E em 2016 vem muito mais!!!

09/09/2015

Mudança no portfólio das organizações apoiadas pelo Arredondar

O CEOS – Centro de Estratégia para Organizações Sociais foi uma das organizações selecionadas pelo Arredondar no nosso primeiro edital por desenvolver um trabalho incrível de apoio ao terceiro setor. Fundado em 2007 o CEOS nasceu para assessorar organizações por todo Brasil a melhorarem a gestão geral e consequentemente seus resultados.
Nos três anos da parceria CEOS e Arredondar foram muitas conquistas, como uma assessoria completa, de um ano e meio, para cinco organizações sociais, um trabalho profundo e de transformação a longo prazo. Esse ano o CEOS passou por uma mudança estratégica e os fundadores seguem trabalhando pelas mesmas causas, com os mesmos valores e propósitos, mas agora em formato de organizações com fins lucrativos, que são:
 Rebecca Raposo www.rr-estrategia.com.br
Judi Cavalcante e Vincius Precioso www.avessosustentabilidade.com.br
Gabriel Ligabue www.ousare.com.br
Por isso o CEOS deixa de ser apoiado pelo Arredondar financeiramente, mas celebramos os novos caminhos e mantemos o contato por termos os mesmos objetivos de ter uma sociedade civil mais organizada e menos desigual. Foi um prazer poder apoiar a organização e seu amadurecimento!

02/05/2015

500 mil!

Chegar aos 500 mil doadores não foi tarefa fácil.

Em um ano de operação em escala, o Arredondar, junto com 20 marcas parceiras, engajou, treinou equipe, desenvolveu material de comunicação, e, o mais importante: engajou brasileiros a doarem. Todos os dias.

Nosso agradecimento profundo à todos aqueles que perguntam a seus clientes, aos nossos doadores  e organizações que participam do Movimento.

Juntos, vamos mais longe!

 

11/02/2015

Um dezembro para celebrar: 100 mil doadores!!!

É incrível contar com o poder de uma multidão para construir um mundo melhor.

Nós sempre acreditamos nisso, desde o dia em que começamos a trabalhar no Arredondar.

Dezembro de 2014, para nós, foi um mês especial: tivemos 100 mil doadores que arredondaram suas compras em nossas redes de lojas parceiras, e apoiaram 16 organizações sociais absolutamente maravilhosas que estão mudando o nosso país, todos os dias.

Sabemos que o valor de cada doação é pequeno, mas mobilizar 100 mil pessoas com apoio de tanta gente, em tantas frentes, é motivo de muita alegria para nós.

Afinal de contas, essa é nossa missão. E acredite, não vamos parar por aí.

O nosso muito obrigado a cada um de nossos 100 mil doadores por mais esta conquista.

 

01/09/2014

2 de dezembro: DIA DE DOAR!

O Movimento por Uma Cultura de Doação divulgou oficialmente a logo nacional do Dia de Doar, alinhando-a às logomarcas das demais campanhas por todo o mundo e dando um toque da nossa cultura à imagem. A versão brasileira foi criada voluntariamente pela designer Camilla Annarumma (do escritório Umcomum) e já pode ser utilizada por todos os que estão planejando suas ações para o Dia de Doar 2014, que será realizado em 02 de dezembro.

A versão brasileira, como pode ser verificado na imagem, apresenta um coração formado por fitinhas do Nosso Senhor do Bonfim, originalmente um símbolo religioso e que passou a fazer parte da cultura baiana, sendo distribuído na cidade de Salvador para quem visita a igreja de mesmo nome. O coração é o modelo do Dia de Doar no mundo, conforme pode ser observado nesta página, onde em breve será incluída também a logo brasileira.

O Dia de Doar é uma campanha mundial, que teve início em 2012, com o nome GivingTuesday e foi realizado pela primeira vez no Brasil em 2013. Acontecerá este ano em 02 dezembro, assim como em vários países da América Latina, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, Espanha e Irlanda. Israel também realizará o Dia de Doar, porém em data ainda a ser definida.

Não há restrição para quem quiser participar do Dia de Doar: organizações, empresas e indivíduos podem preparar sua ação para promover a doação no dia 02 de dezembro. O objetivo é disseminar a importância de contribuirmos para o desenvolvimento do país a partir do apoio às organizações da sociedade civil, seja ele ofertado por meio de doação financeira, de tempo, materiais, etc.

Nas próximas semanas será inaugurada a página na internet do Dia de Doar, onde estarão disponíveis recursos e ferramentas para acesso por todos. A logomarca, que está disponível nesta página, pode ser usada livremente para promover o Dia de Doar, desde que respeitado o objetivo maior da campanha.

Par mais informações escreva para: contato@diadedoar.org.br. A fanpage do Dia De Doar você confere aqui.

Saiba mais e participe da fanpage do Movimento por uma Cultura de Doação clicando aqui. O Arredondar é parte do Movimento e, a partir dele, promove o Dia de Doar no país.

25/06/2014

Um vídeo a muitas mãos

A cada centavo arrecadado, a cada conquista, a cada nova parceria, o time do Movimento Arredondar faz questão de celebrar.

Com o lançamento do nosso novo vídeo não poderia ser diferente.

Porque ele explica de uma  forma simples e redonda como funciona nosso movimento que, dia após dia, cresce cada vez mais, transformando as doações de centavos em milhões.

Com locução da Regina Casé, direção da Adriana Yanez (BigBonsai), ilustrações de Mila Motomura (MOOM), animação do Rafael Terpins, roteiro da Etco, produção da BigBonsai, trilha da FGóes Estudio, e uma ficha técnica pra lá de bacana, só podemos sentir muito orgulho.

Já está no ar em nosso site e no Youtube.

Confira e compartilhe =)

Clique aqui para ver o vídeo!

19/09/2013

A Crocs agora faz parte do Movimento Arredondar!

Crocs: aqui você também já pode arredondar.

Crocs é uma marca divertida e que faz muito sucesso. É também uma empresa que tem um papel social e pratica filantropia. Prova disso é que ela acaba de entrar no time que apóia nosso movimento ao oferecer aos clientes a opção de arredondar o valor das compras.
Claro que estamos muito felizes!
Assim poderemos juntos ajudar ainda mais as organizações sociais que apoiamos e contribuem para os 8 Objetivos do Milênio.
Então, já sabe: quando comprar Crocs, não deixe de arredondar.
Para começar, são 4 lojas arredondando, e já com planos de expansão. As informações sobre as lojas você encontra no nosso site!
Legal, não?

Ao pessoal da Crocs, muito obrigado!
E parabéns pela contribuição social para nosso país. :)

16/05/2013

Mais sobre o processo seletivo

Depois de dividir como foi a criação do processo seletivo de organizações, decidimos fazer um post para contarmos como ficou o desenho final.

Primeiramente, decidimos abraçar os 8 Objetivos do Milênio estabelecidos pela ONU como causa. Além disso, queríamos alcançar organizações onde o recurso poderia ter bastante impacto. Por isso, escolhemos organizações com despesas operacionais de 2011 de até R$ 7 milhões. A proposta é repassar, dependendo do nosso desempenho na arrecadação, até 10% desse valor, limitado a R$ 150 mil por ano, em uma parceria de 3 anos. O destino do recurso deve ser determinado pela organização, e a utilização acompanhada e publicada pelo Arredondar, com o intuito de trazer transparência para o processo. Buscamos organizações idôneas, laicas e apartidárias. Neste início, restringimos a atuação nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, já que a expansão do Arredondar foi faseada tanto na arrecadação como na distribuição.

O processo foi aberto em Junho de 2012. Recebemos 335 inscrições, sendo 195 questionários válidos. Após uma primeira triagem feita pela equipe do Arredondar, 95 questionários foram avaliados por um Comitê de Seleção formado por especialistas contratados para este trabalho. Participaram desse grupo Lucia Calil, Marcia Rodrigues, Regina Wrasse, Ricardo Glass, Rodrigo Bandeira e Teresa Bracher. O comitê selecionou um grupo de organizações que foram visitadas. Destas, selecionamos 30 organizações – 15 para receber o apoio em um primeiro momento, e mais 15 que estão esperando o crescimento do movimento para serem beneficiadas. Saiba aqui no site quais são essas organizações! Diretamente, elas beneficiam mais de 23 mil pessoas, que estão esperando pela sua doação.

Ao final do processo, oferecemos um retorno com a análise de cada questionário a todas as organizações avaliadas pelo Comitê de Seleção. A nossa expectativa era tornar o processo um aprendizado para ambos os lados e, depois de mais de 70 conversas, temos a certeza de que alcançamos isso.

Renata Cho
Equipe Arredondar

16/05/2013

E para onde vão as doações?

Já parou para pensar que criar uma forma de repassar os centavos arrecadados pelo Arredondar foi um dos pontos centrais do trabalho dos últimos anos? Esse desafio significou não só definir o perfil das organizações que poderiam ser contempladas, mas antes disso construir a nossa identidade como apoiadores.

Fizemos esta criação a várias mãos – literalmente. Já no início, contratamos a Ana Biglione como nossa consultora e parceira para nos assessorar nessa jornada. Fizemos um grande trabalho interno com equipe e conselheiros para discutir como seria o Arredondar enquanto distribuidor de recursos. Mas, antes de ‘batermos o martelo’ sobre o assunto, decidimos conhecer a realidade das parcerias sob a perspectiva das organizações sociais. Afinal, estávamos propondo algo que seria interessante para as organizações beneficiadas? Assim, fizemos três encontros no Hub São Paulo, entre Dezembro de 2011 e Janeiro de 2012, com aproximadamente 20 organizações sociais. O intuito era validar algumas informações e ouvir delas histórias positivas e negativas sobre editais e parcerias.

Com isso, desenhamos um processo seletivo de ponta a ponta e, desta vez, fomos validá-lo com pessoas especialistas em editais e/ou no setor. Pudemos contar com as importante opiniões de Âmbar de Barros, Cenise Monte Vicente, Fernando Rossetti, Marcos Flávio Azzi, Paulo Castro, Silvia Morais e Vivianne Naigeborin. Dessas conversas, conseguimos chegar ao processo final.

Foi assim que surgiu nosso processo seletivo, aberto em junho de 2012 e cujo resultado você pode ver aqui no site do Arredondar. Sem o envolvimento de cada um de todos nossos parceiros, nada disso seria possível!

Renata Cho
Equipe Arredondar