Pensando sustentabilidade em 5 R`s

Que heranças essa pandemia pode deixar para a relação com sustentabilidade? A restrição de atividades com aglomeração de pessoas tem reacendido a discussão sobre o impacto das ações praticadas diariamente para a saúde ambiental e o bem-estar coletivo da sociedade. Repensar ações solidárias e com foco no coletivo também tem ganhado destaque. O que nos leva a pensar sobre quais atitudes poderemos continuar adotando como forma de minimizar o impacto ambiental e social do consumo.

SUSTENTABILIDADE, por definição, envolve práticas de responsabilidade social e corporativa para um desenvolvimento econômico viável a longo prazo. Viver, produzir e consumir devem estar alinhados com o bom uso dos recursos naturais.

Com foco em combater o impacto ambiental e social da excessiva geração de resíduo, descarte e a escolha de materiais não reutilizáveis, a política dos cinco “Rs” da sustentabilidade sugere a revisão das nossas atitudes em cinco pilares:  #recusar, #reduzir, #reutilizar, #reciclar e #repensar.

 

1 #Recusar uso de produtos que geram significativo impacto ambiental’

O conceito de recusar está atrelado ao uso de produtos que não agridem o meio ambiente, à valorização de produtos e serviços que possuem certificações ambientais e garantem o compromisso com o equilíbrio, o bem-estar da sociedade e a preservação ambiental. Recusar é também uma forma de evitar o desperdício e até mesmo o desabastecimento, o que geraria transtornos para toda a comunidadeNo início da pandemia, a procura por produtos de limpeza e itens como papel higiênico fez algumas redes de supermercados como Pão de Açúcar impor restrições para evitar a falta desses itens.

Recusar é também escolher utilizar lâmpadas LED, usar pilhas recarregáveis, eletrodomésticos que economizam energia.

2  #Reduzir a geração de resíduos é não despediçar

O conceito de reduzir está voltado a aumentar a eficiência e minimizar os focos de desperdício. O ponto chave para reduzir a geração de resíduos é identificar pontos de desperdício nas etapas de fabricação e consumo e adotar práticas para reduzir o volume de lixo.

O planejamento alimentar é uma das principais formas de reduzir o desperdício. Em casa, planejar as refeições e fazer lista de compras ajuda a não combater o desperdício doméstico. Ficar atento a validade dos produtos e formas de conservação e reaproveitamento de alimentos e refeições são atitudes possíveis para um “consumo inteligente”. Empresas também fazem parte desse processo de redução. Uma das formas eficientes é a doação de sobra de alimentos. Por exemplo, em abril de 2020, a rede Burger King anunciou que iria doar 10 toneladas de alimentos – entre hámbugues,queijo e iogurte – para a ONG Banco de Alimentos, que coleta e redistribuir produtos alimentícios da cadeia produtiva e destina para instituições assistenciais que oferecem refeições.

3 #Reutilizar para gerar economia e menos lixo 

O conceito de reutilizar é uma prática sustentável e econômica. O reaproveitamento mostra-se econômico, uma vez que há menos ou nenhuma aquisição de nova matéria prima para a fabricação.

Durante os meses de isolamento, desenvolvemos novas técnicas para fazer as compras do mercado. Para muitas pessoas, a lista de compras semanal cresceu, com o objetivo de passar mais tempo sem precisar ir ao mercado ou realizar um novo pedido. Itens que antes eram escolhidos por unidade passaram a ser comprados com maior volume. O resultado disso foi o aumento do lixo domiciliar produzido.

Uma tendência que já vinha sendo observada e que, na pandemia, se tornou mais evidente, foi a escolha por produtos concentrados ou com embalagens de refil. Além de serem mais econômicas para o bolso, evitam o descarte excessivo de embalagens, reduzindo a utilização dos recursos naturais. Para muitos consumidores, as embalagens reutilizáveis tem sido um ponto fundamental para efetivar uma compra. No pós-pandemia, cada vez mais, vamos nos voltar para alternativas ecológicas como fator decisivo de escolha.

4 #Reciclar em casa na linha transforme você mesmo

O conceito da reciclagem é transformar materiais para voltar ao estado original ou gerar novo, com o objetivo de diminuir a geração de resíduos, o descarte e usar matéria-prima de forma mais eficiente.

No entanto, a reciclagem é também uma das ações mais difíceis de executar. Segundo dados do Banco Mundial, o Brasil é o quarto país que mais gera lixo plástico no mundo e um dos que menos recicla. Além da baixa adesão da população, a invisibilidade dos projetos de reciclagem e dos catadores, um dos maiores desafios é a informação sobre como reciclar corretamente:  66% dos brasileiros sabem pouco ou nada sobre reciclagem (IPEA/Ibope).

Durante o período de isolamento social, associações de triagem e indústrias da reciclagem paralisaram ou reduziram as atividades por medida de segurança. Ao mesmo tempo em que ficar mais tempo em casa aumentou consideravelmente a produção de lixo doméstico. A alternativa é pensar soluções criativas para começar a reciclar em casa. Em projetos no estilo “faça você mesmo”, garrafas pet que viram vaso de plantas, potes de vidro que viram organizadores de objetos ou armazenam ingredientes. Pequenas atitudes como essas são um passo importante para gerar atitudes sustentáveis.

5 #Repensar atitudes mais coletivas e solidárias

O conceito de repensar é de cada indivíduo deve repensar o impacto das suas atitudes para a sua própria saúde e para o meio ambiente: mobilidade ambiental, geração de resíduos plásticos, possibilidades de doação.

Sim, solidariedade e o coletivismo tem de destacado em tempos de pandemia. Mais do que nunca, percebemos nossas atitudes individuais impactando a comunidade e a sociedade na qual vivemos. Desde usar a máscara para proteger os perfis mais vulneráveis ao vírus, comprar uma marmita e doar outra para apoiar pequenos empreendedores e pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Vemos também o impacto da participação de empresas para exercer um papel social: voltar parte da produção para apoiar unidades de saúde com equipamentos e materiais de proteção, mobilizar doações individuais em seus canais, doar para apoiar o trabalho de organizações sociais.

Incentivar o comércio local e profissionais autônomos também é uma atitude sustentável que promove o crescimento de seu bairro ou cidade e impacta uma cadeia de fornecedores e trabalhadores. Exemplos como os Classificados da Vizinhança, criado pela empresa de locação e venda de imóveis Quinto Andar, para conectar pessoas a pequenos empreendedores do bairro. E as  campanhas lançadas por cervejarias da Ambev – Stella Artois, Heineken e Bohemia – para apoiar restaurantes, bares e botecos  evitar o fechamento e a perda de emprego dos colaboradores como forma de ajuda-los a enfrentar a crise.

São ações que refletem o impacto no coletivo. Esse é o conceito de adotar práticas mais sustentáveis.

 

Por Lais Rodrigues e Karla Freire

Acesso rápido