SEMANA DO MEIO AMBIENTE – Como podemos adotar ações mais sustentáveis?

Desde 1981, o Brasil tem uma semana inteira dedicada a gerar uma maior conscientização sobre os problemas ambientais e a importância de adotar medidas para a preservação da biodiversidade e dos recursos naturais. A semana inicia no dia primeiro de junho e vai até o dia 5, quando é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Empresas e causa ambiental

Enquanto sustentabilidade ganha cada vez mais destaque na agenda corporativa, marcas destacam certificações ambientais, produtos livres de materiais ou ingredientes nocivos ao meio ambiente e à saude, reutilização de embalagem.

Além dos benefícios diretos para o meio ambiente e sociedade com a redução dos resíduos, repensar o desperdício e sensibilizar as pessoas sobre reaproveitamento e reciclagem gera ganhos para a imagem da marca s e o relacionamento com o cliente. Em pesquisa nacional realizada pela Ipsos com 1.200 pessoas, em 2019, 58% dos entrevistados acreditam que reduzir o impacto ambiental deve ser a principal iniciativa para que uma empresa seja vista como cidadã.

 

7 maneiras de contribuir para proteger o meio ambiente

1 Evitar desperdício de alimentos

Conforme relatório da ONU Verde e do Instituto Akatu, o volume de alimentos desperdiçado diariamente no Brasil seria capaz de alimentar 25 milhões de pessoas. Supermercados, indústria alimentícia e consumidores descartam toneladas de alimentos devido ao manuseio ou conservação inadequada.O desperdício de alimentos é, sobretudo, uma ação negativa, já que poderia ser redirecionado a instituições assistenciais que oferecem refeições a grupos e famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica – moradores de rua, idosos em casas de repouso, crianças em creches, dentre outros.

Doação pode ajudar a minimizar o descarte excessivo da cadeia produtiva. Existem muitas ONGs – como Associação Prato Cheio, Gastromotiva, Banco de Alimentos – focadas em coletar e redirecionar alimentos considerados inadequados para venda, mas que ainda conservam propriedades nutricionais adequadas para consumo.

Outra medida urgente é a educação. Disseminar informações sobre reaproveitamento máximo dos alimentos, planejamento de compra/estoque e conservação dos alimentos.

A escolha estética de alimentos em bom estado para consumo mas considerados “feios”, “sujos”, “com imperfeições” sejam rejeitados e jogados fora por estabelecimentos e consumidores.

2 Compostagem doméstica

Nos últimos anos, observamos o crescimento de um movimento para incentivar hábitos mais sustentáveis no dia a dia da população. Geramos diariamente toneladas de resíduos que podem ser reaproveitados até dentro de casa, como é o caso do lixo orgânico que pode virar adubo para plantas.

Com o aumento da procura por plantas para ter dentro de casa e soluções verticalizadas de horta para aproveitar ambientes com menos espaços, a compostagem começa a ser um tema mais discutido. Há uma série de vídeos ensinando a fazer compostagem em casa. Além disso, existem iniciativa como o Ciclo Orgânico que coleta restos de alimentos nas residências cadastradas e direciona para a compostagem. Por enquanto, as coletas deles acontecem somente no Rio de Janeiro, de acordo com a periodicidade que o cliente escolher.

3 Cultivar alimentos orgânicos em casa

Cultiva uma micro horta dentro de casa também é outro hábito que vem ganhando cada vez mais adeptos. Além das plantas decorativas, hortas verticais e em vaso proporcionam acesso a alimentos livres de químicos.

4 Reciclar o lixo corretamente

Faltam informações sobre o descarte correto de materiais recicláveis. Você sabe como descartar o lixo corretamente?  Cinco erros comuns: 1. separar apenas restos de comida e juntar todos os materiais 2. incluir eletrônicos (pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes). 3. Não lavar embalagens sujas de comida. 4. Picar papel. 5.Incluir sacolas plásticas.

5 Apoiar produtores locais

Apoiar pequenas produções locais, que prezam o cultivo de alimentos orgânicos também é uma forma de contribuir para o desenvolvimento sustentável.

4 Descarte consciente de móveis e eletrodomésticos

Antes de descartar objetos, verifique se é possível fazer manutenção ou dar outra utilidade.É possível reformar materiais e móveis antigos. Materiais como caixas de madeiras, escadas e pallet já são tendência em dicas de decoração e podem ser transformados em casa para guardar livros, virar mesinhas e estantes, apoiar plantas. Existem ONGs e entidades beneficientes que recolhem gratuitamente móveis e eletrodomésticos usados para revender em bazares ou doar. Outra alternativa é perguntar se a loja ou fabricante recolhe ou indica algum destino.

5 Reduzir o uso excessivo de plástico

O plástico é um dos maiores responsáveis pela poluição de rios e mares. Além de reciclar e reutilizar, é possível reduzir a geração de lixo plástico com uma mudança de hábito: usar ecobags ou sacolas retornáveis, evitar embalagem excessiva, comprar produtos a granel, utilizar garrafas próprias ou retornáveis, evitar plásticos descartáveis.

6 Escolha de produtos com baixo impacto ambiental 

Ecodesign ou design sustentável tem sido adotado pelo setor com o objetivo de provocar menos impacto ambiental e gerar menos lixo. Prioriza-se: 1. o uso de materiais menos poluentes, não tóxico, com produção sustentável ou reciclados. 2. Eficiência energética: utilizar menos energia na fabricação. 3. Modularidade: fabricar peças intercambiáveis, que possam ser substituídas em caso de defeito, evitando a troca de todo o produto; o que reduz a quantidade de lixo. 4. Reutilização ou reaproveitamento dos produtos para outras funções.

7 Conhecer e apoiar ONGs que atuam na causa ambiental

Produção de mudas e reflorestamento, proteção de nascentes, pesquisa científica aplicada e educação ambiental, programas para produção rural sustentável, mobilização de comunidades e apoio em políticas públicas. Conheça e apoie o trabalho de ONGs como IPÊ, Instituto Terra, IPEMA, IDESAM, ORBE, SOS Mata Atlântica.

Por Jenifer Lima e Lucas Lima

Acesso rápido